Parceiros do projeto Wolf assinam protocolo para manter cooperação


O projeto Wolf: WildLife & Farmers, financiado pelo programa Leader 2007-2013, não vai terminar com o encerramento do atual Quadro Comunitário de Apoio. Os parceiros envolvidos decidiram assinar um protocolo onde se comprometem a continuar a trabalhar “em prol do objetivo comum da coexistência pacífica entre a atividade pastorícia e a vida selvagem”.

O documento foi assinado recentemente em Salamanca e envolveu doze Grupos de Ação Local (GAL), de Portugal (Corane – Associação de Desenvolvimento dos Concelhos da raia Nordestina), Espanha, Suécia, Estónia, Polónia e Roménia.

O trabalho será realizado de forma participativa, continuando as atividades iniciadas com o projeto Wolf, e esse objetivo deve constar dos planos de desenvolvimento de cada um dos territórios para o período de 2014-2020. A ideia é, se possível, alargar estes objetivos a outros territórios que não participaram no projeto inicial.

Este documento resultou de jornadas de trabalho que se realizaram no dia 8 de outubro na referida cidade espanhola.

Os GAL participantes reconheceram a importância da agropecuária e da atividade pastorícia nos seus territórios, com áreas significativas incluídas das na Rede natura 2000 e Zonas Especiais de Proteção, onde existem populações de lobos e outra fauna selvagem cuja sobrevivência é necessário assegurar. Com o projeto Wolf os Gal promoveram a reflexão e implementaram algumas medidas de educação ambiental no sentido de garantir a coexistência pacífica entre as partes, ou seja, entre os pastores e a vida selvagem.

Sem nunca esquecer a importância económica da pastorícia, os GAL insistiram na necessidade de adotar algumas medidas preventivas para evitar os ataques de lobos e a necessidade de manter o ecossistema em equilíbrio.

Ainda na vertente económica os Gal defenderam a necessidade de criar condições para que a vida selvagem se possa transformar nestes territórios em mais um motivo de desenvolvimento e de atração turística.

O protocolo agora assinado pode servir de base para a continuação do projeto de cooperação no âmbito do Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020.